Reduza 50% do tempo de triagem de currículos com a inteligência artificial do Pandapé

Agende uma apresentação
Funcionalidades do Pandapé
Pandapé
Recrutamento e Seleção

Gamificação: como recrutar talentos e engajar colaboradores com esse recurso

Gamificação: como recrutar talentos e engajar colaboradores com esse recurso

Engajar colaboradores e candidatos é um dos principais desafios do RH ao recrutar e promover ações internas. Por isso, a gamificação, cada vez mais, surge como uma solução para tornar os processos do setor mais dinâmicos.

A gamificação está presente em diversas atividades do nosso dia a dia, que nem sempre estão ligados aos recursos digitais. Um exemplo disso são os clubes de pontos dos supermercados ou nos jornais. Isso porque, uma gamificação deve contar apenas com uma lógica, história e motivação.

Ou seja, essa prática tem como objetivo principal desenvolver as características de uma grupo e motivar a um resultado comum. Assim, nos últimos anos esse elemento tem sido cada vez mais utilizado para gerar engajamento nas empresas, seja com candidatos ou com colaboradores.

Continue lendo este artigo e saiba como aplicar recursos de gamificação no seu RH.

O que é gamificação?

A gamificação é a aplicação da dinâmica de jogos para atividades em diferentes áreas, como educação, treinamento corporativo e até processos seletivos, a fim de avaliar uma habilidade ou reforçar um comportamento. 

Gamificar significa usar o design e mecânicas de um jogo para motivar e engajar as pessoas para que atinjam seus objetivos.  

Pensando no processo seletivo, a metodologia de game tem o potencial para avaliar os candidatos sem tornas as etapas cansativas e monótonas.

Com uma gamificação para recrutamento, o RH pode analisar as habilidades do profissional, soft skills, personalidade e ainda observar se o Fit Cultural está alinhado.  

Além disso, por tornar os processos mais dinâmicos, a gamificação contribui com a experiência do candidato, tornando-a mais estimulante, o que implica também no desejo de ingressar na corporação.

O que uma gamificação deve ter:

  • Desafios;
  • Objetivos;
  • Recompensas (pode ser pontos);
  • Níveis para avançar;
  • Competição saudável;
  • História;
  • Motivação para continuar;
  • Desenvolvimento do jogador;
  • Diversão.

Logo, com essa dinâmica, o RH consegue mensurar comportamentos, avaliar habilidades e conhecimento, e também reforçar a cultura organizacional internamente e a interação dos funcionários.

Jogo x gamificação: qual a diferença?

É importante destacar que jogo e a gamificação são coisas diferentes, e que quando falamos de gamificação, não significa necessariamente um jogo de vídeo game, como muitas pessoas imaginam.

A principal diferença entre essas nomenclaturas está na concepção que um jogo é entretenimento, enquanto a gamificação é um instrumento motivacional, usado no ambiente corporativo, que conta com elementos de jogos para que as pessoas atinjam objetivos claros e mensuráveis.

Além disso, a gamificação precisa ter também um storytelling, ou seja, uma narrativa elaborada para contar determinada história. Sendo assim, ela também precisa ser persuasiva, a fim de auxiliar na promoção de determinada ação, seja no recrutamento ou no engajamento interno.

As vantagens da gamificação para os processos do RH

Usar o recurso de game nos processos do setor de recursos humanos contribui para a experiência e engajamento do candidato ou colaboradores. Separamos as principais vantagens, veja:

Aumento do engajamento

O ambiente de um processo seletivo, ou um treinamento, por exemplo, pode ser intimidador, porém o uso da gamificação torna essas etapas mais diversidades e descontraídas.  

Isso acontece porque a gamificação estimula os profissionais a cumprirem cada etapa, e internamente acontece até uma interação entre colaboradores para acompanhar a evolução.

Maior motivação

Sempre que temos um objetivo e uma recompensa a motivação torna-se maior, por isso, com a gamificação o processo de vencer algo, ou contribuir para uma conquista do grupo transforma a motivação.

Além disso, a mente humana gosta de superar desafios, por isso essa inovação é tão eficiente.

Treinamentos mais eficientes

O processo de aprendizagem é diferente para cada pessoa, porém um jogo torna esse momento mais dinâmico. E, por isso, os treinamentos com gamificação são uma estratégia muito usada para a retenção de conhecimentos.

Essa prática permite que os colaboradores tenham uma experiência mais positiva, isso porque vão desenvolver novas habilidades, mas de forma mais lúdica e simples, tirando o aspecto cansativo dos treinamentos.

Experiência do candidato

Os candidatos podem se sentir mais motivados e confortáveis para realizar um processo seletivo com esse recurso, principalmente por que essa metodologia transforma a experiência tensa do recrutamento.

Com a gamificação é possível reduzir o clima de avaliação dos processos seletivos e os candidatos tendem a ter um desempenho mais positivo.

Satisfação e marca empregadora

Para candidatos e colaboradores a gamificação torna os processos mais fluidos e aumenta a interatividade com a empresa. Esses são pontos importantes para garantir a satisfação, e assim, conquistar recomendações, reter talentos e melhorar a reputação da empresa.

Uso da gamificação no RH

No escopo de atuação do setor de recursos humanos, podemos dividir a gamificação em algumas áreas:

Recrutamento e seleção

No processo seletivo, a gamificação tem como principal objetivo engajar os candidatos e garantir que eles tenham uma boa percepção da empresa. Enquanto, o RH consegue aplicar etapas importantes para a triagem e avaliação de candidatos.

Além disso, a ferramenta pode ser uma forma eficiente de analisar como o candidato se comporta sob pressão, pois por mais que a dinâmica seja mais leve e interativa, um jogo tem o potencial de criar um clima de competição e urgência. 

Com esse tipo de abordagem o RH pode criar uma série de conteúdo para avaliar suas aptidões e habilidades. Bem como adequar a linguagem e abordagem de acordo com o perfil da empresa, garantindo que os candidatos se sintam atraídos. 

Nesse formato de gamificação, a recompensa pode ser avançar nas etapas do processo, e por fim, ser contratado.

Treinamentos

Os treinamentos são a área mais comum em que uma empresa pode usar a gamificação, isso por que essa metodologia surgiu no campo educacional, mostrando que esse tipo de interação é efetivo para o aprendizado e desenvolvimento.

Assim, é possível usar uma plataforma de aprendizagem baseada em jogos, ligando os conteúdos mais densos com a interatividade. Ou até mesmo aplicar uma gamificação após um treinamento para avaliar a eficiência e entendimento dos colaboradores. O importante é tornar o processo de aprendizagem um momento de diversão também.

Engajamento interno

Por meio da gamificação também é possível propor ações para o engajamento dos colaboradores com a empresa e a cultura organizacional, reforçando valores, missão e metas da companhia.

Esse processo agrega valor à comunicação interna e a marca empregadora, pois ajuda a estabelecer vínculos e criar o sentimento de pertencimento, porém de forma mais descontraída. 

Outra possibilidade, é utilizar o recurso de game para conhecer melhor os colaboradores, a fim de criar estratégias que visam aumentar a satisfação dos profissionais e garantir uma experiência positiva.

Como aplicar a gamificação

Antes de aplicar uma gamificação nos processos do setor de recursos humanos da sua empresa é importante definir quais é objetivo do RH com essa ação, e qual será a motivação do jogo aplicado.

Quando falamos especificamente de recrutamento e seleção, os objetivos podem ser:

  • Tornar os processos dinâmicos;
  • Fazer uma triagem de perfis;
  • Avaliar os candidatos;
  • Aumentar o engajamento dos candidatos;
  • Promover uma experiência positiva.

Depois disso, é importante pensar no jogo de acordo com o perfil dos candidatos, isso garantirá que eles engajam e se comprometam com a gamificação. Na sequência pense nos seguintes aspectos:

  • Regras de participação: todo jogo precisa ter um manual de conduta;
  • Design do jogo: é importante que o game seja intuitivo;
  • Recompensas: todo jogo precisa de uma motivação, aqui pode ser avançar no processo seletivo;
  • Mecanismos de avaliação: por se tratar de uma prática o RH, é importante que o processo no jogo tenha um filtro de avaliação para o processo seletivo;
  • Feedback: é importante que o candidato entenda o status do seu processo, mesmo em uma gamificação.
feedback no processo seletivo - gameficação

Tecnologia para gamificação no Pandapé

O RH da sua empresa pode também buscar ferramentas específicas para agregar a gamificação nos processos seletivos, com gincanas, testes de habilidades e competências online.

A forma como a empresa conduz os processos seletivos terá impacto geral na experiência dos candidatos e também na assertividade da contratação, por isso a essa prática se torna um grande atrativo. 

Para facilitar o recrutamento, o Pandapé ATS, software de RH desenvolvido pelo Infojobs conta com integração à Seppo, uma ferramenta online de gamificação.

Isso faz do Pandapé uma ferramenta completa para agregar tecnologia ao RH e conquistar o candidato ideal, juntos com outros testes como o DISC, de personalidade, e o Midot, de integridade, tornando o processo mais assertivo e dinâmico.

Agora que você já conhece a gamificação no RH, entre em contato e solicite uma demonstração no Pandapé.